segunda-feira, 5 de fevereiro de 2018

Cidade do México - Dia 5

O roteiro deste dia foi:

1) Praça das 3 culturas;
2) Igreja de Nossa senhora de Guadalupe;
3) Ruínas de Teotihuacan;
4) Chegada em Puebla (dormimos lá).

Este foi o dia em que fomos mais longe de carro, já que Puebla fica um pouco mais de 2 horas de carro de Cidade do México.

Começamos o dia seguindo para a Praça das 3 culturas. Confesso que quase a tirei do roteiro, pois não parecia ser interessante. Entretanto, gostei bastante do espaço e passamos um tempo por lá. Há como estacionar nas proximidades da praça gratuitamente. Estacionamos nos fundos do teatro que fica ao lado da praça. Chegando na praça já é possível ver diversas vans de turismo que só passam por ali, já que as ruínas conseguem ser vistas pela calçada da rua. Como a entrada era gratuita, resolvemos entrar para dar uma volta. O espaço se chama Praça das 3 culturas porque ali você vê construções modernas, construções da época da colonização espanhola e ruínas astecas. Vale um passeio por lá. A vista para a igreja é bem legal.
Endereço: Lázaro Cárdenas centro Av canto eixo. Flores Magon, Tlatelolco


Continuando o passeio, seguimos para a Basílica da Virgem de Guadalupe. Estacionamos o carro em uma rua, mais ou menos umas 3 quadras depois da igreja. Nas proximidades da igreja há um comércio de souvenirs e artigos religiosos. A calçada fica lotada de pessoas. Entrada na área da igreja, o espaço lembra bastante a Igreja de Nossa Senhora de Fátima, em Portugal. Há um igreja mais nova e uma mais antig, o espaço entre as igrejas é imenso. Além disso há a igreja em cima de um morro, acessada por uma escadaria, nesta não fomos. A Basílica da Virgem de Guadalupe está em um local onde muitos acreditam que a Virgem apareceu para um índio, surgundo depois no local um jardim de rosas. A igreja mais antiga estava interditada devido aos terremotos.
Para ir de metrô, pode descer na estação 18 de Março ou na La Villa-Basílica
A igreja fica aberta diariamente de 6h às 21h.




Depois dali seguimos para as ruínas de Teotihuacan, o ponto alto do passeio daquele dia. Da igreja para lá foram mais uns 40 minutos. Chegando na área do estacionamento do sítio arqueológico, logo na entrada, já é necessário pagar o estacionamento de 45 pesos e as entradas, 70 pesos por pessoa. Menores de 13 anos também não precisam pagar por lá. Já estacionamos o carro de frente para uma das pirâmides, tendo uma bela vista.



Estudos mostram que esta cidade deve ter iniciado em torno de 100 a.C., porém as pirâmides vistas foram construídos depois, cerca de 250 d.C. Acredita-se que a cidade Teotihuacan chegou a ser a maior cidade da América pré-colombiana, com uma população de mais de 125 mil habitantes, uma das maiores do mundo naquela época.

A caminhada neste sítio arqueológico é longa e há pouca sombra no caminho. Antes da entrada, entre o estacionamento e a catraca, há barraquinhas vendendo óculos escuros, chapéus etc. Há também, logo no início do passeio, banheiros e um pequeno museu. Depois é só a caminhada pelas ruínas. Não fomos de carrinho porque imaginamos que haveria um sobe e desce nas pedras. Havia pessoas de carrinho por lá, mas realmente precisamos subir alguns degraus, o carrinho iria atrapalhar.




É possível subir nestas pirâmides, o que parece ser bem legal, porém mega cansativo. Com o nosso pequeno, nem pensamos em arriscar a subir. Subimos apenas em ruínas menores. Não chegamos a caminhar até a outra pirâmide, pois a caminhada era muito longa. Sentamos na sombra, fizemos um pequeno piquenique e nos divertimos tirando milhões de fotos do lugar. Ficamos por lá umas 2 horas. Entretanto, se for caminhar por todo o sítio arqueológico e subir nas pirâmides, é possível ficar o dia todo por lá. Não se esqueça de levar protetor solar, água e chapéu.


A zona arqueológica funciona de 09h às 17h. Se não estiver com carro alugado, há diversos passeios com agências de turismo que levam para lá. Também vi que é possível ir por conta própria pelo MetroBus até a estação Índios Verdes e depois pelo ônibus que leva até as ruínas, basta procurar na rodoviária. Nas proximidades há um famoso restaurante, o La Gruta. Pesquise sobre esse restaurante e veja se acha interessante a visita. Acabamos não indo conhecê-lo, pois os itens do cardápio não nos agradou.
Site do restaurante: http://www.lagruta.mx/
Site do parque arqueológico: http://www.teotihuacan.inah.gob.mx/

Há vários restaurantes nas estradas das ruínas. Entretanto, vi apenas restaurantes de comidas mexicanas.

Saindo dali seguimos para Puebla. Nosso próximo destino na viagem. Viajamos um pouco mais de 2 horas para chegar no nosso hotel. Passamos por três pedágios para chegar em Puebla, os valores foram de 74 pesos, 124 pesos e depois mais um pedágio de 34 pesos.


Nenhum comentário:

Postar um comentário