terça-feira, 22 de novembro de 2016

Portugal - Dia 7 - Évora

Neste dia iniciamos a nossa viagem de carro por Portugal. De manhã fomos até o aeroporto alugar o carro (já havíamos feito a reserva) na Drive on Holiday. Pegamos o metrô da linha vermelha até a última estação, aeroporto. Encontramos o atendente que nos levou para a loja (o carro para nos levar até a loja demorou uns 30 min para vir nos buscar). Alugamos um carro com porta malas grande, para podermos visitar as cidades com malas no carro, se preciso.

Já com o carro, cadeirinha (levamos a nossa de casa) e gps (celular com internet), voltamos no hotel para pegar as malas, fazer check out e seguimos para a região do Alentejo. Nosso roteiro em Évora foi o seguinte:

1) Praça Giraldo
2) Rua Cinco de Julho
3) Catedral (Sé de Évora)
4) Templo de Diana
5) Igreja São Francisco (Capela dos Ossos)
6) Parque de Cidade / Parquinho infantil
7) Cromeleque de Almendres

Até Évora, foram mais ou menos 1h e 20 min. A estrada é ótima, bem sinalizada e de boa velocidade, geralmente 100, 120 e 150km. Há pedágios. Alguns bem caros, passamos por pedágios até de 12 euros... Já alugamos o carro com o Via Verde, uma tag para passar direto nos pedágios, pagamos 1,85 por dia pelo uso. Há áreas de pedágio que não há cobrança manual, então teríamos que desviar por outros caminhos, caso não tivesse o tag.

Ao chegar em Évora, principal cidade do Alentejo, estacionamos o carro em uma área imensa de estacionamento em frente às muralhas, ainda do lado de fora. O estacionamento foi gratuito. A parte histórica da cidade é amuralhada. 

Seguimos então pela parte histórica, até chegar na Praça Giraldo. Lá vimos a igreja Sto Antônio e paramos para almoçar por ali. Passamos na sala de informações turísticas, para perguntar sobre o Cromeleque de Almendres (há mapas gratuitos por lá). Observamos que muitas coisas fecham lá na hora do almoço. Após o almoço, pegamos o beco Cinco de Outubro e seguimos até a Catedral. Há inúmeras lojas de artesanato e souvenirs pelo caminho. E depois para a esquerda, chegamos no Templo Romano. Há uma praça grande por ali e um mirante para a cidade.



Voltando para a praça Giraldo, descemos novamente em direção às muralhas, até a igreja São Francisco. É nesta igreja que fica a Capela dos Ossos. Um local formado com a ossada de pelo menos 5000 pessoas. Para entrar custa 3 euros. O pequeno não precisou pagar. A visita por lá é rápida. Vi em vários blogs que pode haver uma enorme fila. Como fomos em baixa temporada, estava vazio.
Apesar das ruas de Évora serem de pedra, fizemos todo o passeio de carrinho, inclusive na Capela dos Ossos. Não encontramos grandes problemas, apenas poucas escadas na entrada da área da capela.



Depois da igreja, seguimos para o Parque da cidade que fica ao lado da igreja, praticamente. Uma área verde bem bonita para um passeio ou piquenique. Como o pequeno estava um pouco entediado, demos um tempo ali para ele brincar. Seguindo já dentro do parque até a muralha, há uma passagem por baixo do muro, em uma imensa escadaria (o carrinho atrapalhou apenas neste momento). Do outro lado há o Parque das Crianças, com vários brinquedos, chafariz, quiosque (aberto só durante o horário do almoço) e banheiros. O espaço é muito legal. Ficamos uma hora e meia ali mais ou menos. 


Do Parque Infantil fomos direto para a rua, seguindo a muralha até chegar no carro. Estava bem perto. A próxima parada foi o Cromeleque de Almendres. Voltamos então para a estrada, até a placa indicando o Cromeleque. Não é longe, talvez uns 15, 20 minutos de Évora até lá. Seguindo em uma estrada asfaltada até Guadalupe, o restante do caminho até o Cromeleque é de estrada batida. Há placas pelo caminho. Só passa um carro, quando vem outro na estrada o melhor é parar, encostar e depois seguir. A estrada só tem mato de um lado e do outro. Não há apoio para turista lá.
No final da estrada de terra, há uma pequena área de estacionamento. Após parar o carro (quando chegamos, só tinha a gente e ficamos um pouco receosos por estarmos ali sozinhos), seguimos uma ruazinha até o final a pé. E lá encontramos os Cromeleques. Caminho tranquilo, não foi difícil. A área das pedras é grande, uma pena que chegamos já perto do por do sol, então as fotos ficaram um pouco escuras. Não precisa pagar entrada. Só parar o carro e andar. Não fica ninguém no local, mas há uma placa com algumas explicações.


O Cromeleque foi descoberto há pouco tempo, mas é datado de antes do Stonehenge, que é o mais famoso. Há 95 pedras de granito no formato meio oval, ao todo. Dá uma ideia circular. É bem interessante e misterioso. Pesquise na Internet sobre o local antes de visitar, pois seu valor histórico é grande e é legal visitá-lo tendo ideia do que se trata.O pequeno gostou de brincar de esconder entre as pedras. Depois de um tempo por lá, começou a chegar mais turistas.


Para quem quiser e tiver tempo, há mais coisas para ver, fora o Cromeleque. Se informe nas Informações Turísticas, na praça do Giraldo. Eles já te mostram um roteiro, em um mapa, que passa por locais arqueológicos. Seria um passeio mais aventureiro. Talvez não muito adequado para crianças pequenas, por ser cansativo.

Voltamos para o carro e seguimos viagem. Fomos para Óbidos, então tínhamos mais ou menos 1h30 de viagem pela frente. Chegamos em Óbidos de noite. Então apenas visitamos a vila dentro dos muros para jantar, sem passeios pelo local.

Nenhum comentário:

Postar um comentário